Tecnologias digitais e o ensino de Química: o uso de softwares livres como ferramentas metodológicas

Antônio Roberto Xavier, Lia Machado Fiuza Fialho, Valdeci Ferreira Lima

Resumen


O objetivo principal deste artigo é compreender o uso de softwares livres como ferramentas metodológicas para o ensino de Química no âmbito das escolas públicas estaduais do município de Redenção, no estado do Ceará - Brasil, a partir da perspectiva dos professores e alunos. Questionam-se quais os principais desafios encontrados pelos docentes e discentes do ensino médio em relação ao ensino de Química com uso de softwares livres e como seria a experiência de mediação de conhecimento por intermédio dos softwares livres. Utilizando-se da abordagem qualitativa com estudo do tipo pesquisa-ação com cinco professores e dezoito educandos do ensino médio, constatou-se que o ensino-aprendizagem de Química no sistema escolar estadual de Redenção utilizava o laboratório de informática, mas não trabalhava com softwares. As principais dificuldades apontadas pelos educadores para o não uso foram: falta de domínio da tecnologia com softwares livres; limitações dos sistemas operacionais Linux/Ubuntu; software sem língua estrangeira; limitação de softwares; e falta de conhecimento de softwares aplicado ao ensino de Química. Tanto os estudantes como os educadores acreditam na viabilidade do emprego de softwares livres para tornar o ensino-aprendizagem mais interativo, contextualizado e concreto e se interessam por recorrer a essas ferramentas metodológicas, em especial aos softwares «Estados da matéria», «Concentrações» e «Construa sua molécula».

 

Palabras clave


tecnologias digitais; softwares livres; ensino de Química; ensino médio

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Afonso, M.C.L., Eirão, T.G., Melo, J.H.M., Assunção, J.S., & Leite, S.V. (2011). Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE): tratamento da informação em um repositório educacional digital. Perspectivas em Ciência da Informação, 16(3), 148-158.

Amaral Rosa, M.P., & Cateli, F. (2015).Ensino de Química e tecnologias: o que dizem os professores? Caxias do Sul, s.n.

Bezerra, A.A.C., Nascimento, M.B.C., & Santana, E. (Org.). (2012). A questão da prática e da teoria na formação do professor. Fortaleza: UFC.

Brasil. (2010). Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Rideel.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

Brasil. (1998). Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 fev. 1998.

Brasil. (2000). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília, DF: MEC.

Brown, T.L., Lemay, H.E., & Bursten, B.E. (2005). Química: a ciência central. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Cortella, M.S. (2014). Educação, escola e docência: novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez.

Eichler, M., & del Pino, J.C. (2000). Carbópolis, um software para educação química. Educação em Química e Multimídia, 11, 10-12.

Falcão, J., Ferraz Junior, T.S., Lemos, R., Maranhão, J., Sousa, C.A.P.S., & Senna, E. (2005). Estudo sobre o software livre. Rio de Janeiro: ITI.

Feltre, R. (2004). Química geral. São Paulo: Moderna.

Fialho, L. M. F., Machado, C.J., & Sales, A.M. (2014). As correntes do pensamento geográfico e a Geografia ensinada no ensino fundamental: objetivos, objeto de estudo e a formação de conceitos geográficos. Educação em Foco, 17(23), 203-224.

Freitas, H.C.L. (1996). O trabalho como princípio articulador na prática de ensino e nos estágios. Campinas: Papirus.

Furió, C., & Furió, C. (2000). Dificultades conceptuales y epistemológicas en el aprendizaje de los procesos químicos. Educación Química, 11(3), 300-308.

Gauthier, C., Martineau, S., Desbiens, J.F., Malo, A., & Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí.

Gohn, M.G.M. (2010). Educação não-formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez.

Gomes, C.M.A. (2007). Softwares educacionais podem ser instrumentos psicológicos. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 11(2), 391-401.

Gonçalves, J.M., & Julião, M.S.S. (2016). Analogias em livros didáticos destinados ao ensino superior: Química orgânica versus Físico-Química. Investigações em Ensino de Ciências, 21(3), 92-108.

Kotz, J.C., &Treichel, P. M. (2002). As ferramentas básicas da Química: matéria e medição. In Kotz, J.C., Treichel, P.M., & Weaver, G.C., Química e reações químicas (pp. 9-48). Rio de Janeiro: LTC.

Leite, B.S. (2015).Tecnologias no ensino de Química: teoria e prática na formação docente. Curitiba: Appris.

Libâneo, J.C. (2010). Pedagogia e pedagogos para quê?. São Paulo: Cortez.

Lévy, P. (1999). As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: 34.

Lima, M.S.L. (2001). A hora da prática:reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. Fortaleza: Demócrito Rocha.

Melo, M.G.A., Campos, J.S., & Almeida, W.S. (2015). Dificuldades enfrentadas por professores de Ciências para ensinar Física no Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 8(4), 241-251.

Mendonça, P.C.C., Justi, R., & Oliveira, M.M. (2006). Analogias sobre ligações químicas elaboradas por alunos do ensino médio. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 6(1), 22-34.

Mororó, L.P. (2017). A influência da formação continuada na prática docente. Educação & Formação, 2(4), 36-51.

Nóvoa, A. (Org.). (1999).Profissão professor. Porto: Porto.

Nunes, C.M.F. (2001). Saberes docentes e formação de professores:um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, 22(74), 27-42.

Peruzzo, F.M., & Canto, E.L. (2006). Substâncias químicas.In Peruzzo, F.M., & Canto, E.L., Química na abordagem do cotidiano (pp. 17-47). São Paulo: Moderna.

Pozo, J.I., & Aldama, C. (2014). A mudança nas formas de ensinar e aprender na era digital. Revista Pátio, 19(5).

Ros, A.C. (2001). La enseñanza de la Química en el inicio del nuevo siglo: una perspectiva desde España. Educación Química, 12(1), 7-17.

Sabino, V., & Kon, F. (2009). Licenças de software livre: história e características. Relatório Técnico RT-MAC-IME-USP.

Santos, D.O., Wartha, E.J., & Silva Filho, J.C. (2010). Softwares educativos livres para o ensino de Química: análise e categorização. In Anais do XV Encontro Nacional de Ensino de Química (pp. 1-11). Brasília DF, Brasil.

Santos, W.L.P., & Schnetzler, R P. (2010). Educação em Química: compromisso com a cidadania. Ijuí: Unijuí.

Survey Monkey. Software e ferramentas de pesquisa online gratuitos. Recuperado de: https://pt.surveymonkey.com.

Tardif, M. (2002). Saberes docente e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Vicinguera, M.L.F. (2002). O uso do computador auxiliando no ensino de Química (Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Xavier, L.C.V., & Xavier, A.R. (2015). Políticas públicas de educação digital: a experiência do Proinfo Integrado em Ocara-CE. Fortaleza: Imprece.

Zanon, L.B. (2013). Ensino de Química como recontextualização de conhecimentos com um olhar às avaliações nacionais da Educação Básica. In Inep, Avaliações da educação básica em debate: ensino e matrizes curriculares de referência das avaliações em larga escala (pp. 117-150). Brasília DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.


Enlaces refback





e-ISSN: 1698-7802

DOI prefix: 10.14516/fde

URL: www.forodeeducacion.com

FahrenHouse: Salamanca, España 

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 3.0 España.